Busca de notícias


Incluir vídeo

Cadastre aqui o seu email e receba novidades

















A enigmática Máquina de Anticítera



Este é provavelmente um dos maiores enigmas da ciência humana. Mesmo 112 anos após a sua descoberta, não se sabe ainda do quê se trata exatamente a chamada Máquina de Anticítera. Qual civilização e qual tecnologia teria sido usada para construí-la? Para quê e como a fizeram? Estas são algumas perguntas sem respostas.

A história desse objeto começou em 1901, quando um pescador estava mergulhando e encontrou um navio afundado nas águas do Mar Egeu, nas proximidades da Ilha grega de Anticítera. Ali, sob as formações calcáreas que cobriam o casco do navio, entre estátuas e jarros, apareceu uma ânfora (tipo de vaso) fechada. Depois das primeiras análises científicas, que indicaram que o navio havia afundado ao redor do ano 90 a. C, os pesquisadores tiveram que esperar o desenvolvimento tecnológico disponível apenas a partir de 1946 para remover completamente o óxido e finalmente trazer à tona a "máquina de Anticítera".



A partir de então, os pesquisadores ficaram surpresos com o que encontraram: um equipamento com um sofisticado mecanismo, composto por uma série de engrenagens, impossíveis de serem concebidas pelas pessoas de sua época. Apesar de a ciência ter provado que o mecanismo havia afundado junto com o barco havia dois mil anos, os primeiros elementos de uma tecnologia similar aparecem na história do homem apenas no século XVI.

Um dos primeiros trabalhos que tentou desvendar a máquina de Anticítera é do historiador Derek J. de Solla Price que, em 1950, mencionou a possibilidade de que se tratava de um "computador" astronômico para prever as posições do Sol e da Lua no Círculo Zodíaco. Ele também tentou reconstruir o mecanismo, mas a tecnologia da sua época não tornou isso possível. Alguns anos depois, o engenheiro Michael Wright fez uma tomografia linear do artefato e também concluiu que o equipamento reproduzia os movimentos do Sol e da Lua com exatidão, assim como os dos planetas.

O principal estudo sobre a Máquina de Anticítera aconteceu a partir de 2006, quando os pesquisadores usaram uma reprodução em três dimensões, com tomografias computadorizadas de alta definição. Assim foi possível saber que se tratava de um verdadeiro "planetário portátil", uma tecnologia impossível de se pensar na época em que foi construído. A grande questão é: qual cultura ou civilização forneceu o conhecimento que deu origem à Máquina de Anticítera?

Apesar de a ciência ainda buscar por novas resposta, assista ao vídeo abaixo que mostra um modelo em funcionamento da Máquina de Anticítera.



Fonte: http://noticias.seuhistory.com



Vaf-Id