Busca de notícias


Incluir vídeo

Cadastre aqui o seu email e receba novidades

















As lições de inovação de Steve Jobs, segundo seu biógrafo



Por Luísa Melo,

Quando Steve Jobs disse a Walter Isaacson que queria que ele escrevesse a sua biografia, ele o achou muito arrogante. Afinal, antes do pedido, ele havia biografado Albert Einstein e Benjamin Franklin.

Porém, não foi só arrogância que Isaacson viu ali. Ele também viu muita paixão pela beleza, tecnologia e negócios. E com base nesta percepção, decidiu atender ao pedido do fundador da Apple.

Segundo ele, o livro, que contou com a colaboração de 150 pessoas que trabalhavam com Jobs, é uma grande lição sobre paixão, mas também sobre o que não fazer quando se é chefe. Veja as características mais marcantes que fizeram de Steve Jobs referência em liderança e inovação, contadas por Isaacson, durante o fórum HSM Expomanagement:

Pensar mais no produto do que no lucro

De acordo com Isaacson, Jobs acreditava que, investir em um algo único e bonito, consequentemente levava ao lucro. O foco nos resultados poderia causar a necessidade de cortes durante o desenvolvimento do produto e este sofreria perda de qualidade.

Cuidar do que está por dentro, e não somente do que é visível

Em uma das conversas para a biografia, Jobs levou Isaacson até uma cerca que ele havia construído junto com seu pai, na infância. No momento da construção, o pai tinha dito a ele que o lado interno da cerca deveria ser tão bonito quanto o de fora. Jobs argumentou dizendo que ninguém veria aquela parte e seu pai retrucou dizendo: "mas você sabe".

Essa foi a lógica que Jobs usou para desenvolver todos os seus produtos, segundo Isaacson. Quando produziu o primeiro Macintosh, em 1984, ele disse aos engenheiros que o circuito impresso do computador era horrível porque os chips não estavam alinhados. Então, eles redesenharam toda a sua parte interna, antes de voltar a vendê-lo.

Cuidar da embalagem

Assim como os produtos da Apple, a caixa que os embala também foi desenvolvida com paixão e, inclusive, é patenteada. "O produto está ali como se fosse uma joia. Se as pessoas vêem um embrulho bonito, elas acreditam que o produto é de qualidade", diz Walter Isaacson.

Distorcer convicções

Segundo Isaacson, Jobs sabia como ninguém obrigar as pessoas a fazer o que elas achavam impossível. Certa vez, quando trabalhava com Steve Wosniak na Atari, ele disse ao colega que precisavam desenhar o jogo em quatro dias. Wosniak disse que aquilo era impossível e então Jobs o olhou fixamente, sem piscar, e disse: "Não tenha medo, você pode". E o jogo foi desenvolvido em quatro dias. A técnica, de acordo com Isaacson, Jobs aprendeu com um guru, em uma viagem à Índia e foi usada para conquistar muitas coisas que, à primeira vista, pareciam impossíveis.

Capacidade de pensar diferente

"Jobs sabia que a imaginação e a criatividade só existem quando você está disposto a ser meio rebelde, a pensar diferente", afirma Isaacson.

Acreditar na beleza da simplicidade

A simplicidade sempre foi a premissa de Jobs para desenvolver seus produtos. Quando ele resolveu criar o iPod, nos tempos em que a Apple só fabricava computadores, o argumento que ele usou foi o de que todos os dispositivos de reprodução musical (os populares aparelhos de mp3) que já existiam eram "sem graça, porque eram complicados demais e tinham um menu chato e uma interface horrível", diz Isaacson.

"Eles não tinham a beleza da simplicidade", completa o escritor. Por isso, ele quis desenvolver um produto em que qualquer um pudesse acessar uma infinidade de músicas em três cliques.

Não ter medo de inovar

Quando Steve Jobs decidiu criar o iPhone, com o insight de que "o mundo iria se tornar móvel", alguns de seus funcionários acharam que ele tinha ficado maluco. Isso porque o smartphone "engoliria" o iPod ao oferecer uma plataforma de armazenamento e reprodução de músicas igual à do aparelho. Ele, porém, não exitou: "ou nós canibalizamos, ou alguém nos comerá no almoço", disse Jobs, segundo Isaacson.

Fonte: http://exame.abril.com.br/



Vaf-Id